>

Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala

Buika no Coliseu dos Recreios

15-02-2016

Concha Buika passou por Lisboa para apresentar a sua tour Vivir sin miedo. A National Public Radio (NPR Music) considerou-a como uma das melhores 50 vocalistas de sempre - estamos em crer que o público que esteve no dia 13 no Coliseu dos Recreios não tem dúvidas disso mesmo.

Buika no Coliseu dos Recreios
Ver fotos do evento

Buika no Coliseu dos Recreios

Mas que estilo de música é este? Olha, é Buika.

Concha Buika passou por Lisboa para apresentar a sua tour Vivir sin miedo. A National Public Radio (NPR Music) considerou-a como uma das melhores 50 vocalistas de sempre - estamos em crer que o público que esteve no dia 13 no Coliseu dos Recreios não tem dúvidas disso mesmo.

Descalça, vestida de vermelho e com um sorriso largo: foi assim que Concha Buika entrou no palco do Coliseu dos Recreios. A sua expressão era aquela que temos quando (re)encontramos velhos amigos, amigos de sempre. O mote do concerto é “quiero vivir sin miedo”, a música que dá nome ao seu último álbum e a esta tour.

Ainda mal tinha começado a cantar, já o público se apressava a registar o momento para partilhar nas redes sociais. Depois do check in feito estávamos todos preparados para desfrutar de uma noite de fusão – uma noite Buika, portanto.

O concerto seguiu caloroso: foram vários os momentos em que Buika se dirigiu ao público, com humor e amor, agradecendo tantas vezes a sua presença nesta sala de espectáculos. Falou em espanhol – e até em portunhol, atendendo ao pedido especial que surgiu da plateia. Afinal, improvisar não é algo que aflija ou preocupe a cantora e compositora. Para quem conhece o seu trabalho musical é evidente a facilidade com que se adapta, muda, estica, encolhe, acalenta, arrefece – e cresce e faz crescer o sentimento em torno das palavras que canta.

Foram vários os momentos em que Buika provocou gargalhadas no Coliseu dos Recreios: “A todos, desejo mucho dinero”. Que não nos falte amor, amizade, a família, a saúde – e também o dinheiro.

Buika é uma mulher dos sete ofícios: compôs e inclusivamente tocou todos os instrumentos das maquetes iniciais deste álbum. Durante o concerto fez questão de saudar os músicos que a acompanhavam. A cumplicidade é mais do que evidente e do seu trabalho em palco, deste todo, resulta uma soma que é maior do que as partes: o prazer de tocar para os tais velhos amigos, amigos de sempre: o público português.

A música da espanhola Concha Buika é “um pouco de tudo”. Nela reconhecemos estilos variados e por isso temos tanta dificuldade em rotular o seu trabalho. É um trabalho que pensa fora da caixa, sente com o coração do lado de dentro e de fora e existe fora do rótulo. “É uma Nina Simone dos tempos contemporâneos” – ouvia-se alguém a dizer. Será? Por mais que se tente comparar Buika a grandes vozes – deste e de outros tempos – o certo é que o tom, a temperatura da sua voz e o caminho musical que tem feito é definitivamente único.

À saída do concerto – que teve direito a encore, palmas e público de pé, alguém dizia: “A voz dela é assim, arrepiada”. E nós acrescentamos: arrepia. Pela forma plástica como corre mil e um estilos musicais, fazendo-nos viajar pelo mundo, sem nunca sair do lugar. Há artistas únicos: Buika é uma dessas artistas. Há concertos únicos: e este foi um deles.

Concha Buika parte agora para Copenhaga e tem encontros marcados em Berlim, Zurique, Budapeste, Berkeley - entre outros.

Texto: Joana Rita
Fotos: Francisco Morais

Partilhar

Powered by:

Musicfest