>

Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala

A pior comédia do mundo

12-10-2018

A mais absurda das comédias… Vista dos bastidores! Abre porta, fecha janela, troca de adereço, reabre janela, porta fechada, berros, confusão e… gargalhadas do público. É assim, resumida numa frase, “A pior comédia do mundo”, que vai estar em cena no Teatro da Trindade INATEL.

A pior comédia do mundo

A pior comédia do mundo

Esta é afinal, a pior ou a melhor comédia do mundo?

 

É uma das mais divertidas comédias do mundo. A ideia do original, “Noises Off”, surgiu ao autor Michael Frayn quando estava a assistir nos bastidores a uma peça sua. Aquilo a que assistiu deve ter sido tão engraçado que ele achou que fazer uma peça inspirada no que se passa em bastidores, sobre a própria comédia e os atores, deveria ser bastante divertido. Assim surgiu “A pior comédia do mundo”.

 

 

Qual é a história?

 

Uma companhia de teatro está a representar a farsa sexual “Tudo Nu” e durante a peça assistimos aos três momentos desse espetáculo. O ensaio geral, a estreia - a que o público assiste dos bastidores, ou seja, vê o que está para lá do cenário - e a última representação já em digressão, em que estão todos muito nervosos, têm problemas uns com os outros, esquecem falas, trocam adereços e acabam a improvisar para melhorar a coisa, mas os improvisos não correm bem e a peça transforma-se na pior comédia do mundo.

 

 

Como foi encenar esta peça?

 

Foi demorado e mais complicado do que uma comédia normal. Cada ator tem dois papéis: o de ator de uma companhia e a personagem que interpreta na farsa “Tudo Nu”. É um desafio para qualquer ator fazer dois papéis em um. Têm de representar bem a fingir que estão a representar mal. Como também entro na peça, um jovem ator fez durante algum tempo as marcações do meu papel, porque era impossível estar em cena e ao mesmo tempo a dirigir os atores.

 

 

Chegam ao fim muito cansados...

 

É super cansativo fisicamente, mas divertimo-nos imenso. É a nossa missão: se nos divertirmos o público também se vai divertir com certeza.

 

 

A peça tem um elenco de luxo. Como é que os atores foram escolhidos?

 

Normalmente, aqui ou no cinema, quando se faz um casting e se começa a pensar na distribuição dos papéis pensa-se em atores com determinadas características, até físicas, que interessem ao projeto ou à comédia. A escolha obedece a características relacionadas com a idade e perfil das personagens.

 

 

O que é que o público pode esperar desta peça?

 

Para o público é uma surpresa, com a novidade de poderem assistir aos bastidores da peça. O que eles podem esperar é divertimento total e absoluto. Toda a gente se interessa muito pela vida dos atores hoje em dia, é o que as revistas vendem. Nesta peça podem assistir às paixões geradas também no palco entre os atores, que os conduz a ataques de ciúmes e discussões que depois vão influenciar a representação, porque estão todos danados uns com uns outros.

 

Fernando Gomes, Encenador

Partilhar