>

Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala

Entrevista sobre o Festival Cumplicidades

22-02-2018

Sete variações! Um festival de dança contemporânea que se realiza entre 10 e 16 de março. Sete espetáculos, que decorrem durante sete dias em sete espaços.

Entrevista sobre o Festival Cumplicidades

Festival Cumplicidades

 

O nome Cumplicidades traduz de alguma forma o espírito deste festival?

 

Sem dúvida. Surge da vontade de criar pontes não só entre a dança contemporânea e os seus públicos, mas também entre estruturas, espaços, artistas, público e parceiros.

 

 

Que espaços vão acolher o Cumplicidades?

Nesta edição, contaremos com os nossos cúmplices que nos acompanham desde a edição zero: Rua das Gaivotas 6, Espaço Alkantara e Galeria Zé dos Bois / Negócio. Voltamos ao Teatro da Trindade, tecemos uma nova parceria com o Teatro Ibérico. Atentos também à dinâmica da cidade, experimentamos dois novos espaços da cidade: CAL – Primeiros Sintomas e as Carpintarias de São Lázaro.

 

Quais as propostas dos programadores convidados?

Tânia Carvalho: A minha proposta foi a de apresentar sete espetáculos durante sete dias consecutivos. Procurei que todas as peças fossem estreadas em Lisboa.
Abraham Hurtado: A proposta internacional partiu da ideia de gerar um maior diálogo entre os artistas da área do Mediterrâneo. Cinco artistas finalistas vão criar juntos durante o período de residência sete variações do mesmo espetáculo, que se apresentaram em sete espaços diferentes durante o CUMPLICIDADES 2018.

 

 

 

O que é que mudou na dança contemporânea nas últimas décadas que possa estar representado nos sete dias do Cumplicidades?

 

TC: Eu acho que a criação é sempre uma coisa nova e por isso sempre diferente de uma coisa anterior. Se estiver aqui representada alguma mudança é essa mesma.
AH: Mudou tudo e nada. Continuamos com uma dança contemporânea condicionada por referências dos anos 70, criando diferentes perceções dos mesmos conceitos que foram explorados nestes anos de ebulição da dança contemporânea e da performance. Para mim, o que mudou foi o corpo em si.

 

Tânia Carvalho [TC] e Abraham Hurtado [AH], programadores convidados do Festival Cumplicidades

 

Partilhar