>

Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala

ENTREVISTA COM A ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL MÚSICAS DO MUNDO

30-06-2017

Em sintonia com o planeta! O Festival Músicas do Mundo é uma mistura de sonoridades sem fronteiras, para escutar e sentir entre 21 e 29 de julho, de Sines a Porto Covo.

ENTREVISTA COM A ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL MÚSICAS DO MUNDO

Festival Músicas do Mundo

De que vêm à procura aqueles que vos visitam?

De uma experiência de música ao vivo, alternativa à oferta mais frequente no circuito de festivais de verão. Algum desse público vem a Sines para ver artistas específicos que já conhece, certamente, mas a maioria vem com o intuito de descobrir música nova. Quem visita o FMM traz consigo essa postura e permite que a programação seja feita com grande liberdade.

 

Começaram com 7000 espectadores e sete artistas em 1999, e chegaram aos 90 mil visitantes e aos 47 artistas em 2016. Como explicam este fenómeno de crescimento?

O crescimento do festival tem sido orgânico. Todos os anos o público se renova, mas há um núcleo duro de espectadores que nos acompanha há muitas edições, e que são os nossos embaixadores e o nosso veículo de promoção mais precioso. Ao longo de quase de 20 anos, essa rede de amigos não tem parado de crescer e o festival tem atingido níveis de público surpreendentes para um evento com o nosso conceito de programação.

 

Como é que conseguem gerir a afluência de público aos diferentes espaços onde o evento decorre?

A gestão da afluência de público é um desafio, sobretudo no espaço do Castelo, o palco mais antigo e mais icónico do festival, que tem limitações naturais por ser um monumento histórico. Nas últimas edições, com o apoio da BOL, temos conseguido agilizar as entradas e melhorar o controlo da lotação do espaço.

 

O que mudou desde 1999 até aos dias de hoje?

Alargámos o número de palcos, ganhámos uma extensão na aldeia de Porto Covo, enriquecemos a oferta de concertos, reforçámos a programação de iniciativas paralelas e melhorámos aspetos logísticos.

 

Dos concertos já confirmados na edição deste ano, quais os que merecem destaque?

Temos sentido por parte do público grande curiosidade por alguns concertos em específico, como o músico africano de reggae Tiken Jah Fakoly, a orquestra cubana do músico camaronês Richard Bona, a estreia em Portugal da parceria entre Fatoumata Diawara e Hindi Zahra e o regresso da grande diva maliana Oumou Sangaré, com um novo disco.

 

 

Nuno Mascarenhas

Presidente da Câmara Municipal de Sines e Diretor do Festival

Partilhar