Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
1936 - O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS

1936 - O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS

Teatro & Arte | Teatro

Teatro Bernardim Ribeiro

Sala Principal
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2018
set
08
Realizado

Duração

100 minutos

Intervalo

Sem Intervalo.

Produtor

Grupo de Acção Teatral A Barraca

Sinopse

O Encontro inquieto do defunto Fernando Pessoa com o único Heterónimo que lhe sobreviveu, no ano em que crescem todos os fascismos. Um jogo assombroso entre o real e o imaginário.
Este belo e profundo romance convida a uma reflexão dramatúrgica muito entusiasmante.
Começa pela invenção do encontro entre Fernando Pessoa já falecido e o heterónimo Ricardo Reis, com casos reais de sexo e paixão, também de ambiente surdo, falso e pesado, e porque fala com humor da relação criador / obra / figura/personagem. Além disso, define como protagonista principal da obra, o ANO em que a trama se desenvolve.
E que ANO!!??
1936! Alguns dados... Comemoração dos 10 anos do golpe militar de 28 de Maio de 1926 que foi o pontapé de saída para o início do fascismo, especialização da polícia política com o apoio da Gestapo, fundação da Mocidade Portuguesa, Legião Portuguesa e campo de concentração do Tarrafal Mussolini invade a Etiópia com o silêncio cúmplice das casas Reais Europeias, Hitler intensifica o ataque aos judeus, começo da guerra civil de Espanha
Nos tempos de hoje, de frágil memória, menoridade cívica e ética, fundamentalismos, militarismos, imperialismo financeiro gerando miséria e horror Universais, renascendo a tenebrosa fénix nazi-fascista, aqui está uma obra que demonstra que as convulsões sociais nunca - infelizmente - , passaram a coisa datada e de dispensável interesse arqueológico.

Texto: José Saramago;
Dramaturgia e Encenação: Hélder Mateus da Costa;
Distribuição de Personagens/ Elenco : Ricardo Reis - Adérito Lopes, Fernando Pessoa - Ruben Garcia, Lídia - Sónia Barradas, Marcenda - Carolina Parreira, Dr. Sampaio - João Maria Pinto, Salvador - Samuel Moura, Vitor/ Saramago - Sérgio Moras;
Direcção de Arte: Maria do Céu Guerra;
Iluminação e Vídeo: Paulo Vargues;
Sonoplastia: Ricardo Santos;
Apoio à Montagem: Fernando Belo;
Design Gráfico e Fotografia de Cartaz: Arnaldo Costeira;
Fotografia: Luis Rocha MEF;

Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda: